É cada dia mais evidente que o Brasil está muito próximo de uma crise energética. Entre blacautes, apagões, reajustes sucessivos e bandeiras tarifárias, o setor comercial e industrial tem enfrentado graves problemas de abastecimento, sobretudo em áreas de alto consumo. Para fugir dos aumentos nas contas de energia elétrica e se prevenir de um possível apagão, muitos consumidores têm buscado fontes alternativas de energia, como os grupos geradores de energia (clique aqui para ver nossos modelos) para assegurar o fornecimento mesmo em casos de escassez.

As vendas de grupos geradores de energia tem  apresentado altas significativas desde o início do ano. A procura por geradores de energia veio principalmente de setores mais afetados como empresariais com alto consumo, que conseguiram reduzir até 15% das despesas com energia elétrica.

Em declaração, o próprio Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, recomendou o uso de grupos geradores de energia elétrica em  locais com alto consumo. A iniciativa é importante para garantir economia no abastecimento comum, evitando que ocorra sobrecarga na rede coletiva de abastecimento. Segundo o ministro, esta medida faz parte de um processo de mudança nos hábitos de consumo e tomada de consciência.

Por isso, quem deseja se previnir e evitar a possibilidade de ficar sem energia, deve considerar a possibilidade de instalação um grupo gerador e estudar os custos e vantagens de se ter esse tipo de sistema em seu condomínio residencial/comercial ou empresa. Mais do que recomendado o uso de um grupo gerador de energia elétrica se torna indispensável quando existe a necessidade de jamais desligar alguns equipamentos.

Nesse casos, para evitar o risco iminente de ficar no escuro, adquirir um grupo gerador é a melhor opção, sendo que o mínimo seria garantir ao menos uma locação de um grupo gerador para evitar maiores transtornos em razão da crise energética que está por vir.